Posts Tagged ‘internet’

As 50 + Inovadoras

As 50 + Inovadoras

A revista Fast Company divulgou a lista das 50 empresas mais inovadoras do mundo.

Como todos os anos empresas conhecidas no mundo inteiro fazem parte da lista, como a primeira colocada Apple, Facebook e Google.

Duas  empresas brasileiras entraram no ranking, a Bug Agentes Biológicos ficou em 33° lugar e Boo-box na 45ª posição geral.

Mas a participação do Brasil não parou por ai, em 2012 a Fast Company fez um ranking especifico para as companhias brasileiras. As  empresas  Bug Agentes Biológicos e Boo-box  estão no topo da lista, que classificou companhias como Petrobrás , Apontador e Grupo EVX, de Eike Batista.

Veja a lista completa e detalhada no site da Fast Company.

A onda agora são os cibercéticos ou sempre fomos assim?!

A onda agora são os cibercéticos ou sempre fomos assim?!

Será que estamos vivendo uma era de comunicação tão frenética que chega a parecer doentio? Segundo a socióloga, Sherry Turkle, professora de Estudos Sociais da Ciência e Tecnologia no Programa Ciência, Tecnologia e Sociedade do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), tudo isso nos torna menos humano e mais depende das tecnologias.

“Um comportamento que se tornou comum ainda é capaz de expressar os problemas que outrora nos levaram a vê-lo como patológico” Sherry Turkle em seu novo livro, “Alone Together” .

Sherry Turkle defende a tese de que essas novas formas de comunicação, Facebook, Twitter e mensagens instantâneas, nos dão a falsa impressão de uma comunicação mais eficaz, no entanto, elas acabam com as interações na vida real, tornando as pessoas cada vez mais solitárias.

Entretanto há outro lado da história, as redes sociais tornaram possível a comunicação entre pessoas que vivem em lugares geograficamente e socialmente diferentes, diminuindo as distâncias existentes no mundo real.

Essa comunicação rápida trouxe as empresas para mais perto do consumidor, nesta “nova era” eles querem ser ouvidos e terem seus problemas resolvidos o mais rápido possível.

Um bom exemplo disto é o caso do Oswaldo Borelli, que utilizou o Youtube e o Twitter para fazer uma crítica sobre a empresa Brastemp, o vídeo rapidamente se disseminou na WEB fazendo que a palavra Brastemp chegasse aos  Trend Topics mundiais do Twitter, a empresa publicou uma nota no seu site pedindo desculpas pelo ocorrido.

No vídeo ele explica toda sua história com a Brastemp:

É por essas e outras que um bom relacionamento nas redes sociais e na vida, depende da capacidade de perceber, compreender, refletir, questionar, agir e transformar. Pra mim, a criação de conhecimento nas redes, como na vida, vai passar sempre por conflitos criativos, por improvisação e liberdade de comunicação.

No fundo, não existe uma nova onda, padrões antigos estão sendo levados para as redes sociais, confirmando a hipótese que o ser humano é plural, ambíguo, paradoxal e cheio de dúvidas.

Brasil nem X, nem Y – Geração XY

Em nosso País é possível criar o seu próprio modelo, chamado pela especialista de Geração XY. Leia mais sobre o assunto.
A chegada da geração Y ao mundo corporativo americano já suscitou centenas de análises no Brasil sobre os melhores métodos para atrair e reter os talentos dessa safra. Não abriu, contudo, espaço para uma questão essencial e anterior: temos no País realmente contingente significativo de profissionais da geração Y, da mesma maneira característica que há nos EUA? A resposta é não.
Jovens entre 20 e 30 anos com grande potencial de liderança, os Y são ambiciosos, buscam dedicar-se a projetos que representem suas causas, reconhecimento e evolução rápida na carreira. Ao mesmo tempo, não lidam bem com restrições e se pautam pelo imediatismo: sem resultados palpáveis para seus projetos, tendem a dispersar.

As características têm fundamento na própria formação dos indivíduos Y. Eles contam com um perfil diferenciado frente à média: têm fluência em diversos idiomas, foram educados para desenvolver espírito empreendedor, contam com boa formação escolar e contabilizam períodos de vivência no exterior. São muitos. Nos EUA e em algumas regiões do Brasil.

Sua abrangência no País, porém, é menor do que a série de avaliações sobre a geração Y permite supor. Basta olharmos para as diversas regiões do Brasil que, mergulhadas recentemente num cenário de estabilidade e desenvolvimento, começaram a produzir agora os primeiros representantes de uma geração anterior, a X.

Marcada por profissionais extremamente pragmáticos, a safra dos X reúne executivos cujas ações são orientadas pelo senso de oportunidade. São ágeis no aprendizado e bons empregados, daquele tipo que, em alguns segmentos, merecem o chamamento de “pé de bois”. Não é à toa. Eles têm como foco construir uma carreira sólida – muitas vezes, o que acontecerá numa só empresa que lhes dará diversas oportunidades – por meio da qual possam ascender socialmente e conquistar bens e posição econômica que seus pais nunca atingiram.

Para isso, dedicam-se ao trabalho e ao crescimento econômico, acumulam riquezas, planejam suas previdências – em grande parte por temer que seu futuro fique à mercê de incertezas econômicas que abalaram a vida daqueles que foram seus exemplos.

Foi em meio à dedicação ao trabalho e ao crescimento econômico dos profissionais da geração X que nasceram os jovens que hoje formam a safra dos Y. Eles são, em muitos casos, os filhos que assistiram aos pais trabalharem demais, sofrer com estresse, dedicar pouco tempo a temas não-corporativos e acumular riquezas para financiar a estabilidade e a elevada qualidade de educação dos herdeiros.

Em resumo, é possível dizer que boa parte da relação dos X com trabalho e dinheiro é o que molda hoje a postura dos Y frente à carreira, assim como o desejo deles por algo atrelado a valores, crenças e mais qualidade de vida.

O que observamos cada vez mais em nossos jovens talentos é que eles se apropriam do que realmente faz sentido para sua trajetória profissional. Se antes os modelos, adequados ou inadequados, e os modismos, adaptados ou não adaptados, ditavam o comportamento de muitos destes jovens, hoje eles olham para seus interesses e características e, cada vez mais cedo, buscam alinhar suas expectativas pessoas às profissionais. Isso é um sinal de maturidade, uma vez que, muitos profissionais só se dão conta que podem fazer escolhas em uma fase bem posterior de vida e carreira.

Há muitos e muitos casos de homens e mulheres no Brasil que, parte da geração X, criaram empreendimentos únicos ou apoiaram suas empresas, como executivos, a trilhar o caminho do crescimento. É um erro, porém, considerar que agora a principal fonte de novos executivos para a estrutura corporativa brasileira serão seus filhos, os jovens e tecnológicos Y. Eles ainda são poucos quando se consideram toda a população e o potencial brasileiro.

É aí que reside a sabedoria de algumas empresas que, de nacionais transformaram-se em globais: ao perceber que, como um País recém inserido no quadro de maior desenvolvimento, o Brasil é uma fonte maior de profissionais da geração X, elas pautaram seu crescimento em estratégias que gerem oportunidades para estes profissionais.

São companhias que oferecem aos seus funcionários desafios locais e internacionais, sabendo o que é mais importante a este publico e sem renegar os jovens Y com o qual eventualmente contam. Enfim, são as empresas que estão formatando um modelo de gestão baseado na população brasileira e em suas características específicas. É a sabedoria de saber que o País não replica o modelo das gerações americano, mas pode criar o seu próprio. Sem X ou Y. Somos X e Y.

Por Fátima Rosseto (Leadership Development Director da DBM Brasil, consultoria especializada em gestão do capital humano em momentos de transição)
HSM Online

Microsoft está de Olho no Brasil

O novo site de busca da Microsoft, o Bing, foi lançado dia 1º de maio deste ano. O buscador traz algumas novidades que não serão notadas na versão brasileira, que, por sua vez, mais parece uma versão melhorada do Live Search, antiga ferramenta de busca da empresa.

Entretanto, a Microsoft está de olho no Brasil com buscador Bing.

“O Brasil é prioritário para a Microsoft e, por isso, acredito que estamos perto do lançamento do buscador por aqui”, diz Carolina Aranha, gerente geral da divisão on-line da Microsoft no país.

Os diferenciais do Bing em relação ao Google são apenas 3: Programas de viagens, Restaurantes e Compras.

Para quem não conhece, vale a pena dar uma conferida, nestas inovações.

Brasileiros Gastam + Tempo com a Web

por Milena Mogi

Estudo realizado pela Deloitte, “O futuro da mídia”, mostra que o brasileiro passa 32,5 horas semanais conectado na web, contra 9,8 horas em frente à TV.

Há muito tempo a TV vem perdendo espaço para internet, principalmente a TV aberta pela falta de qualidade e diversidade na programação. Não podemos mais dizer que existe um horário nobre, onde se obtinha o maior índice de audiência, em virtude disto, muitas emissoras estão correndo atrás do prejuízo, um exemplo é a Rede Globo, que apresentou a programação de 2009 com programas cada vez mais “multimídia”, para que sejam vistos na internet e também nos celulares.

Segundo Manoel Martins, diretor-geral de entretenimento da Globo, a estratégia é “aguçar no usuário de internet a vontade de voltar a assistir televisão”. Mas a principal aposta das mídias está no celular, onde se espera que 50 milhões de usuários assistam TV aberta por ele.

Já o consumo de Internet ultrapassará a televisão tradicional em Junho de 2010, esta é a principal conclusão de um estudo realizado pela Microsoft, no mercado europeu, que analisa o comportamento das pessoas online e debate as tendências do futuro.