Na P&G, funcionários vivem dia de lojista

A estratégia da companhia é fazer com que os empregados conheçam as reais necessidades dos clientes para criar produtos na medida

Por Tatiana Achcar

Gabriela Onofre, diretora de assuntos corporativos da Procter & Gamble, e Claudia Fernandes, da Editora Globo

O sucesso do programa Working it reconhece a P&G Brasil como líder em soluções no ponto de venda. Prova disso é a conquista da 14ª colocação no prêmio As Empresas Mais Inovadoras do Brasil, uma iniciativa da Época NEGÓCIOSem parceria com a consultoria A.T. Kearney. “O prêmio é como uma festa de debutante da P&G, afinal temos apenas 22 anos no Brasil e isso indica que estamos no caminho certo”, conta Gabriela Onofre, diretora de Assuntos Corporativos.

No programa de aproximação do cliente, chamado Working it, colaboradores de qualquer área, nível e função trabalham do lado de dentro do balcão das lojas por uma semana para entender as motivações e dificuldades do consumidor na hora da compra. Dessa forma, passam a conhecer também a dinâmica do lojista. “Vamos ao mercado em busca de respostas, elas não estão em nossos laboratórios”, conta Elizabete Polansky, gerente de Inovação Aberta na América Latina.

E aos esforços não param por aí. Para completar o estudo de campo, a empresa criou o Living it, programa de convivência diária com uma família. Dessa vez, os funcionários convivem com o consumidor para observar como ele experimenta o produto em casa. Fazem feira, vão ao mercado, compartilham as refeições com a família. O programa deu origem ao absorvente Always Básica, Hipoglós Amêndoas e o sabão em pó Ace Erva Doce. Em 2011 a empresa lançará embalagens de bioresina, uma tecnologia desenvolvido pela Braskem que transforma a cana-de-açúcar em plástico polietileno de alta densidade e 100% reciclável.