Brasilata quer compartilhar inovação (e comemoração)

A companhia de embalagens metálicas se destacou com o Projeto Simplificação, que estimula a sugestão de todo tipo de ideias entre os funcionários da empresa

Por Lilian Sobral

Antônio Carlos Teixeira Álvares, da Brasilata

Fazendo um forte trabalho de comunicação e incentivo à novas sugestões dentro da companhia, a Brasilata ficou em 10º lugar no prêmio As Empresas Mais Inovadoras do Brasil, uma iniciativa de Época NEGÓCIOS em parceria com a consultoria A.T.Kearney. Entre os motivos que ajudaram a conquistar o título, a empresa conta com um trabalho batizado de Projeto Simplificação, que estimula a sugestão de todo tipo de ideias entre os funcionários da empresa.

A ideia nasceu em 1987. Naquela época, o sistema surgiu como necessidade de comunicação simples entro os funcionários dentro da empresa, mas agora, o ponto central é a sugestão de ideias inovadoras em quaisquer áreas. Em 2009, o projeto recebeu 165 mil propostas, cerca de 181,9 por funcionário. “Temos uma média de aprovação de 90% das ideias. Todas elas recebem resposta em até uma semana e, em geral, o tempo de execução para as aprovadas é de um mês”, diz Antonio Carlos Teixeira Álvares, diretor superintendente da Brasilata.

Todo tipo de sugestão é permitido. Segundo Álvares, a maior parte das ideias vem para resolução de problemas que os colaboradores encontram no dia a dia, mas há também propostas inovadoras em produto e gestão. Até sugestão anônima pode ser feita.

As ideias chegam de duas formas: intranet e papel depositado em urnas espalhadas pela empresa. “O investimento neste projeto acontece principalmente para sua divulgação e em tecnologia. Em dois ou três anos, a intranet deve ser única porta de entrada das ideias”, diz Álvares.

Com o sistema bem estabelecido em todas as suas filiais (e logo mais na de Recife, que começa a operar no início do ano que vem já com o Projeto Simplificação funcionando), a empresa começa a ter reconhecimento internacional. “Já recebemos visitas de importantes professores na área de inovação e agora nos preparamos para promover o intercâmbio das ideias com empresas em outros países”, diz Álvares.

A empresa opta por não premiar individualmente os autores das ideias. “Funcionamos como em um jogo de futebol. Não podemos premiar só o centroavante, pois queremos que o time todo trabalhe para fazer gols”, diz o executivo. A premiação coletiva acontece com festas entre todas as unidades e divulgação das melhores ideias. “O segredo é cuidar de pessoas e por isto já estamos pensando em como celebrar e dividir este prêmio com toda a empresa”, diz o executivo.