Inovação aberta dá prêmio para o laboratório Cristália

A empresa conta com a colaboração de especialistas externos para entrar em contato com inovações em várias partes do país

Por Karla Spotorno

O reconhecimento da excelência em inovação do laboratório Cristália, consagrado nesta terça-feira (7/7) no prêmioAs Empresas Mais Inovadoras do Brasil, traz um resultado imediato para a companhia, segundo Ogari Pacheco, presidente do conselho diretor da empresa farmacêutica. “Um prêmio como esse infla de orgulho todos os funcionários e retroalimenta o ambiente criativo na empresa”, diz. Quanto mais motivadas as pessoas, “mais chances a empresa tem de inovar”, afirma Pacheco.

Seguindo uma tendência mundial cada vez mais forte, a companhia de Itapira, interior paulista, apostou no conceito de inovação aberta. Em 2004, criou um conselho científico que conta com a contribuição de especialistas externos de diferentes áreas. “Era difícil para a diretoria analisar todas as ideias que surgiam. Com o conselho, melhorou muito a análise dos projetos e aumentou o número deles”, afirma Pacheco referindo-se às mais de cem ideias que chegaram ao conselho científico.

Além de analisar um grande número de projetos que chegam até o laboratório, os conselheiros servem como “antenas parabólicas”: captam ideias que surgem em universidades e centros de pesquisa para apresentar aos colegas.

A participação de especialistas externos também permite que o laboratório esteja em permanente contato com inovações em várias partes do país. “Conhecendo as capacidades de centros de pesquisa espalhados pelo Brasil, sabemos onde determinados projetos podem ser complementados, melhorados.”

Para um projeto de inovação colaborativa obter sucesso, a empresa precisa ter determinadas habilidades. A principal delas? A direção da empresa precisa ter a mente aberta. “Porque, quando você trabalha com gente de muito bom nível, é preciso mostrar que as pessoas devem se ajudar. E eu diria que essa é uma tarefa ‘tecno-artística’”, diz Pacheco. “Mas, confesso, que eu me preparei para outras dificuldades muito maiores. E o volume de contribuições tem sido muito maior do que os problemas.”