Crise Compromete Avanço da Inovação nas Economias

por Abrahão Dejtiar

 

 

Reportagem na Folha de S. Paulo aborda como a crise afetou o desenvolvimento esperado da inovação. A reportagem fala sobre a queda do desenvolvimento e apresenta uma pesquisa realizada pela revista “Economist”, que criou um ranking dos países mais inovadores.

 

Com o turbilhão financeiro, os países tornaram-se menos inovadores e poderão sofrer graves consequências nos próximos cinco anos. Esperava-se um incremento de 6% até 2013 na média do índice de inovação mundial. Essa média foi revista para 2%. Os EUA são os mais afetados, seguidos pelo Reino Unido. O Brasil também piorou. Na contramão, China e Índia se destacam com os melhores desempenhos.

Folha de S. Paulo 24.04.2009

 

O Japão lidera o ranking com nota dez; outros países como os EUA, Reino Unido e o Brasil caíram uma posição na lista. A Líbia, entretanto, ficou em último lugar entre os 82 países avaliados, obtendo nota zero. Os analistas da “Economist” criaram um índice que vai de zero a dez e que corresponde a uma avaliação do ambiente necessário para que se estimulem o conhecimento e os resultados práticos da inovação.

Já os chineses cresceram cinco posições, entre 2006 e 2008, e os indianos subiram duas.

Segundo os dados do U.S. National Science Board, os investimentos em ciência e tecnologia, nos EUA, tiveram redução devido ao atual cenário econômico; nem mesmo a verba destinada à pesquisa  nas universidades escapou aos cortes.

Resultado: o próprio governo teme a  redução da competitividade do país no mercado internacional e a diminuição de mão de obra qualificada.
Na contramão desse movimento, China e Índia registraram os maiores crescimentos.

Folha de S. Paulo 24.04.2009

Leave a Reply